O jornal Vida Económica iniciou hoje a publicação de uma série de artigos sobre a promoção do empreendedorismo nas instituições de ensino superior politécnicas, dando a conhecer ao público as iniciativas realizadas pelos politécnicos e os projetos desenvolvidos neste domínio.

Esta rubrica da Vida Económica começa com um artigo assinado pelo Prof. Nuno Mangas, Presidente do Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos (CCISP), que destaca a importância estratégica do projeto PIN – Poli Entrepreneurship Innovation Network enquanto veículo de uma metodologia inovadora de promoção das competências empreendedoras em toda a rede do ensino superior politécnico.

Para quem não tiver oportunidade de comprar a edição em papel do jornal Vida Económica, reproduzimos aqui na íntegra o conteúdo do artigo assinado pelo Prof. Nuno Mangas. 

O Empreendedorismo na Rede do Ensino Superior Politécnico

Prof-Nuno-Mangas
Prof. Nuno Mangas, Presidente do Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos (CCISP)

A rede do Ensino Superior Politécnico tem, de há alguns anos a esta parte, implementado diversas iniciativas no âmbito da promoção do espírito empreendedor e do empreendedorismo, o que constitui uma forma agregadora de cooperação entre as instituições de ensino superior politécnicas.

Estas iniciativas estão alinhadas com a estratégia governamental de promoção do espírito empreendedor e do empreendedorismo, assentando em três eixos de intervenção: i) melhoria das competências dos empreendedores, em particular dos estudantes, mediante qualificação e treino; ii) valorização dos recursos humanos (de forma transversal à comunidade académica de cada instituição); e iii) desenvolvimento de redes de suporte aos empreendedores que criem condições de apoio nos primeiros anos de vida dos seus projetos.

Esse trabalho tem-se demonstrado estruturante no suporte ao empreendedorismo, inovação, criação de novas empresas e geração de propriedade industrial, bem como no posicionamento educativo das instituições que a integram. Constitui ainda uma forma de inovar em metodologias e tecnologias de promoção do empreendedorismo, motivando, facilitando a aquisição de competências e dinamizando deste modo o ecossistema do empreendedorismo em termos nacionais e mesmo internacionais.

A importância destas iniciativas para a rede de Ensino Superior Politécnico revela-se ainda a outros níveis.

Do ponto de vista estratégico, a maioria das instituições da rede considera a área do empreendedorismo como estratégica, constando nas suas linhas estratégicas/planos estratégicos. A atuação em rede constitui uma fonte de partilha de experiências, boas práticas e iniciativas, e de aprendizagem entre parceiros, ajudando a melhorar as suas estruturas internas de apoio na transmissão de competências. Revela-se ainda uma forma de potenciar sinergias entre as diversas instituições, minimizando as assimetrias de capacidade institucional que possam existir na implementação de diversas atividades relacionadas com o empreendedorismo. São fortalecidas as relações de trabalho e é dotada a rede politécnica de ferramentas que lhe permitem uma maior eficácia e abrangência no sistema de apoio a empreendedores.

Do ponto de vista regional e nacional, o reconhecimento da importância da atuação da rede de Ensino Superior Politécnico na área do empreendedorismo tem sido reconhecida por organizações governamentais e empresariais que sempre apoiaram as diversas ações desenvolvidas. É de salientar o envolvimento de entidades do tecido empresarial, diretamente ou através das suas associações, numa vertente regional e nacional. Dada a cobertura territorial que resulta da rede, é potenciada a cooperação institucional e empresarial entre regiões, pela interação entre empreendedores das diversas instituições politécnicas, sob o mesmo enquadramento metodológico.

Um dos exemplos que traduzem estas dinâmicas colaborativas é o projeto PIN – Poli Entrepreneurship Innovation Network, considerado como chave pelo Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos (CCISP). Há 14 anos que os Politécnicos de todo o país vêm promovendo o empreendedorismo através de uma metodologia de ensino única, inovadora e diferenciada, desenvolvida no âmbito do programa Poliempreende. Além de desenvolver na academia o espírito empreendedor dos envolvidos, que ascendem ao momento a cerca de 110.000 estudantes, dotando-os de ferramentas que lhes serão fundamentais nas suas carreiras profissionais, esta metodologia apoia a criação efetiva de projetos de vocação empresarial, desde a fase inicial de estímulo da criatividade e inovação, ao desenvolvimento da ideia, à planificação e à criação do próprio negócio.

Esta mesma metodologia foi objeto de reconhecimento internacional em 2013, ano em que recebeu o Prémio Europeu de Promoção Empresarial na categoria de Investimento nas Competências Empreendedoras.