Foi no âmbito do projeto PIN – Polientrepreneurship Innovation Network – que decorreu em Bragança a edição do concurso nacional PIN/Poliempreende. Os prémios para os melhores projetos foram entregues depois da avaliação do júri composto por representantes do PIN/Poliemprende, Grupo Delta Cafés, IAPMEI, ANI e Startup Portugal. Uma vez mais ficou comprovada a dinâmica empreendedora dos politécnicos portugueses.

Bragança foi por uma semana a capital portuguesa do empreendedorismo (11 a 15 de setembro), evento da décima quarta edição Poliempreende, ao integrar atividades do programa PIN – Polientrepreneurship Innovation Network, entre as quais o concurso nacional de projetos de criação de negócio.

O Instituto Politécnico de Bragança foi assim o ponto de encontro de jovens empreendedores de todo o país, num processo que começou com a participação de 480 alunos e 161 projetos, a nível nacional. Depois de feita uma triagem a nível regional, apenas os 19 projetos regionais chegaram a Bragança com o intuito de impressionar um júri composto por representantes do PIN/Poliempreende, Delta Cafés, IAPMEI, ANI (Agência Nacional de Inovação) e a Startup Portugal.

O professor José Adriano, coordenador da 14ª edição do Poliempreende, faz o balanço desta edição: “Este ano apostámos num programa com atividades mais voltadas para a natureza e também com uma forte componente sociocultural, mostrando aos nossos visitantes as tradições de Bragança. As sessões de Coaching e Team Up, atividades do projeto PIN, foram também uma novidade, com uma forte participação e resultados muito positivos.”

Um total de 38 promotores de todo o país ligados ao ensino superior politécnico, apoiados por sete tutores, reforçaram durante estes dias as suas competências no desenvolvimento de 19 projetos inovadores. Destaque ainda para a participação especial em Bragança de duas instituições do país vizinho, as Universidades de Leon e de Salamanca.

Com coordenação do Instituto Politécnico de Bragança, esta Semana do Empreendedorismo contou com o apoio institucional da Agência Nacional de Inovação e os patrocínios da Delta Cafés e da Ordem dos Contabilistas Certificados. 

OS VENCEDORES DO POLIEMPREENDE 2017

Os três primeiros lugares foram atribuídos aos projetos:

1º prémio – Ilegal – Idealização e projeto de customização de motociclos – Alunos do I.P. Setúbal

2º prémio – Célia Celíaca – Promoção da marca e personagem Célia Celíaca e do seu universo imagético e bem humorado, que inclui outras personagens com intolerâncias e alergias ou que apenas defendem um estilo de vida saudável, através do website e das redes sociais (loja virtual, banda desenhada, animação e blog) e das associações celíacas, em Portugal e no Brasil – Alunos do I.P. Cávado e Ave

3º prémio – Zthreat – Software open-source, configurado de forma inovadora, que torna o acesso à Internet mais seguro para todos os dispositivos e sistemas que o utilizem – Alunos do I.P. Bragança

PRÉMIOS ESPECIAIS 

Foram ainda atribuídos três prémios especiais patrocinados pela Delta e pela Agência Nacional de Inovação aos projetos:

Prémio Empreendedorismo Delta – Marias&me – Caviar Vegan feito a partir de uma extração de uma substância gelatinosa de algas castanhas e de uma infusão a partir de flores comestíveis – Alunos do I.P. Coimbra

Prémio Internacionalização Delta – Agencia de Empreendedorismo – Gabinete de consultadoria – Alunos da Universidade de Leon

Prémio ANI – Spectrum Audio Labs –Equipamentos premium especializados para a indústria do áudio profissional, respondendo às respetivas necessidades técnicas e artísticas – Alunos do I.P. Lisboa

MENÇÕES HONROSAS

O júri decidiu ainda atribuir duas menções honrosas, aos projetos:

H203 – Módulos hidropónicos inteligentes capazes de garantir a produção de até 32 vegetais ao mesmo tempo – Alunos da Escola Náutica Infante D. Henrique

Embalagens – Empresa de consultoria em desenvolvimento de produto especializada em embalagens – Alunos da Universidade de Aveiro

UMA PLATAFORMA INOVADORA

Com um horizonte de execução de um ano e um investimento aproximado de um milhão de euros, o projeto PIN tem objetivos ambiciosos: envolver mais de 1500 estudantes e gerar 45 novas empresas nos domínios do conhecimento, tecnologia e industrias criativas. Metas a que se juntam 15 pedidos de registos de patentes e mais de 120 projetos de vocação empresarial.

A plataforma PIN assenta numa interface digital que oferece uma série de ferramentas facilitadoras dos processos de implementação de negócios. O sistema disponibiliza formação específica sobre temas relacionados com o empreendedorismo e criação de empresas, proporcionando aos participantes as condições para o desenvolvimento de ideias, soluções inovadoras e planos de negócio, num ambiente colaborativo. A plataforma é assim composta por módulos de e-learning, videoconferência, fórum de discussão e de mensagens privadas.

O PIN surge na sequência do Poliempreende, um programa de referência de apoio ao empreendedorismo que cumpre a sua 14ª edição. Ao longo de mais de uma década, esta iniciativa que engloba um total de 21 parceiros, entre instituições politécnicas, escolas superiores não integradas e escolas politécnicas das universidades, envolveu já um universo de mais de 100 mil estudantes. Os resultados falam por si, com 83 empresas criadas, 62 patentes registadas e uma taxa de sobrevivência das empresas de 77%.